domingo, 25 de agosto de 2013

"...o sonho pelo qual se pôs a caminhar."

"Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar.”
Paulo Freire

Da artista de palmo e meio : Salomé Negrão - 5 anos *
Pintura sobre madeira 17X25


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Divagações Nocturnas

Um dia destes
enfeitámo-nos em orquídeas
declarámo-nos românticos

afastámos o preconceito após as flores
e fizémos amor à sombra do desejo
nessa manhã de primavera fomos felizes,
uma dúvida só
o de não o quê de me quereres tão bem
não sei o teu nome
não conheço a tua história
nem tu a sabes de cor talvez
deixa
voltemos de novo à primavera
esqueçamos um pouco mais a confusa solidão
que reinará depois de nós...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

..."o que seremos."

* Com Salomé Negrão *

"Não há transição que não implique um ponto de partida, um processo e um ponto de chegada. Todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje. De modo que o nosso futuro baseia-se no passado e se corporifica no presente. Temos de saber o que fomos e o que somos, para sabermos o que seremos."
Paulo Freire


domingo, 4 de agosto de 2013

Vertente

Enumero vontades estranhas
como o amor ou pedir o amor
com a mesma inocência

com que pedimos a paz
aos homens de boa gente
só porque a desejamos
obcecadamente nua aqui...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



sábado, 3 de agosto de 2013

Eu só queria...

Eu só queria saber tudo
mesmo que fosse muda
pois isso seria um escudo

contra aquleles que me querem surda
Eu só queria não saber nada
de tudo o que os outros querem que eu saiba
eu só queria saber tudo acerca do nada
pois assim talvez soubesse
que é mais fácil não saber nada
do que saber tudo
e saber que tudo o que se sabe
acaba por não ser nada...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

Momento das Rosas


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Raras as Pontes

O céu é o azul da primavera
os campos em baixo são as flores
há rosas
e o canto do quadro é um rio de romances
que se vai esgotando por esses mares supostos
cujos sais ele tanto inveja
nas lacunas do papel há crianças
o calor do verão são desejos
um quadro é um esquema leviano e,
as mais variadas espécies de cores e alegrias
também aqui não faltam
porque este quadro é o manifesto da inconsciência...


Ana Negrão Fereira
Divagações Nocturnas