segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

domingo, 27 de janeiro de 2013

sábado, 26 de janeiro de 2013

Algures acorrentada...

Não sei onde estás dita vida
mas sei que tenho presa em mim
porque tenho passado o tempo
...
a sonhar-te
a reinventar-te
estás algures acorrentada
a corrente que nos prende
não tem princípio nem fim
e vacilante recomeço
na madrugada de quem trabalha para este mundo
arriscando-me a morrer de fome
por não existirem dicionários
nas vagas luas que navego
como um velho lobo do mar
que desce sempre á melancolia quotidiana...

Ana Negrão Ferreira.

Divagações Nocturnas


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Pela praça onde te encontrei...

Enquanto todos esses burlões
ensaiam o fim deste projecto de paraíso
hei-de eu por força ser...



...mas felizmente as pernas
essas inteligentes peregrinas
levam-me de volta para a rua
levam-me a beber da água gelada
que um chafariz paciente
se entretém a desperdiçar
pela praça onde te encontrei
a tentar vender
passaportes para o esquecimento...


Ana Negrão Ferreira
Divagaçoes Nocturnas




 

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Como sempre foi até aqui...

Trago sempre grandes dúvidas 
nos mastros e velas
algum reumatismo pelo leme
e ainda assim
me assalta a tentação
de implorar a quem me jogue nas águas
talvez em busca de purificação
com que sempre sonhei nesta vida
como quem acredita
que amanhã ao acordar
o mundo será diferente
e tudo jamais será tão mau
como sempre foi até aqui
afinal, afogar-me não posso
que os meus olhos são marítimos por demais
e o sal, esse nunca o temi
que foi sempre o tempero da minha solidão,
deixa...
dá-me a tua mão, vou amar-te
até ao sinal da próxima geração...

Ana Negrão Ferreira

Divagações Nocturnas



quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Cada vez mais para trás...

As vacas pastam nos campos
calmas
absortas de animalidade
assim vivem certos homens
mergulhados na verdade
e sem nunca perceberem
que mentira e dúvida
é quando batem a porta atrás de si
e saem do seu habitáculo
para debaixo do sol
e a verdade lá vai ficando
cada vez mais para trás
certos homens
como vacas
abortos pastam verdades e saem...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Destinos da distância...

Longos 
os retratos mentais
ardentes e dolorosos
amor longe, amor sofrido
longos os destinos da distância
uma estrela
seus encantos, atraências
quase tudo de ternura
quase tudo de esperança
longe é uma lembrança viva
é uma memória dorida
é a frustração do já
longe é estar assim tão sós
e tão longe como nós...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


domingo, 13 de janeiro de 2013

Onde nos cruzamos...

Caminho vanguarda
suspiro orgulhosa imitando o vento,
mas são tantas as tempestades
a fustigarem desertos
tempos que se vestem de fontes
matando a sede
dos diálogos irados
eternos olhares
onde nos cruzamos
bem perto
do presente
inconsciente...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


terça-feira, 8 de janeiro de 2013

terça-feira, 1 de janeiro de 2013