domingo, 30 de setembro de 2012

Portas de uma alucinação...

Caminho meia tonta
o deserto já parece
portas de infinito

de uma alucinação
medo corridas quedas
a confundir-me com esta areia quente
pessoas répteis
a miragem do dinheiro
seca movediça
quem dera que eu fosse um réptil
que vive a sangue frio
o calor da areia deserta
esta sede me mina...




Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas




quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Ergam-me estátuas por todo o ser...

Querem 
iludir-me em oiro

desviar as atenções
petrificar-me em glória
ofertem-me, inundem-me
ergam-me estátuas por todo o ser...
...mas quantas vezes terei
que apaixonar-me para desventrar
os porquês da vida
essa lágrima de sangue dissipada
querem tirar-me tudo
hipnotizem-me
desespero vertiginosamente
que o sol se enfureça...




Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas




domingo, 16 de setembro de 2012

Eu que nem uma palavra serei...

Cinco minutos não chegam
nem para nascer amar
nem para crescer lutar
nem para viver vencer
mas em cinco minutos
podemos rebentar em sangue
destruir o mundo simplesmente
toda a vida desaparecer
choro as palavras que me apertam na garganta
porque eu estou mais presa
que a voz afónica aflita
asfixiada de feto
eu que nem uma palavra serei
mergulho no ser 
cujas dúvidas vão tecendo...

Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Vontades estranhas...

Enquanto os portentados do dinheiro e do poder
ensaiam as suas guerrinhas económicas
quer de um lado quer do outro

quer de todos os lados
Enquanto todos esses burlões
ensaiam o fim deste projecto de paraíso
hei-de eu por força ser...
...enumero vontades estranhas
como o amor ou pedir a dignidade
com a mesma inocência
com que pedimos a paz
aos homens de boa vontade
só porque a desejamos
obcecadamente nua AQUI!!




Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Causa que venha a ser...

Sim 
porque o dia nasceu
causa que venha a ser

e pensar que a sonhar
o tempo é maior
quando qualquer máquina
de projectar filmes sonhos
nos ensina o contrário
passo na noite com medo
que nos convertam em dinheiro
esse majestoso alienado
seria um pecado
não se cantarem as estrelas
condenar a escuridão
à mais terrível
estéril solidão
mas tudo está nessa ponte
que o tempo faz ceder




Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas





quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Apenas tudo o que somos...

Amor é querer
apenas tudo o que somos
é construir um sonho
metafórico embelezado
libertador
agora o sol dorme
a lua brilha
ainda beijas
ainda afago...
...e amanhece




Ana Negrão Ferreira 
Divagações Nocturnas